domingo, 16 de fevereiro de 2014

Nebraska



Realizador: Alexander Payne
Argumento: Bob Nelson
Actores: Bruce DernWill ForteJune Squibb, Bob Odenkirk

Mais uma das histórias de Amor deste ano. Uma história muito bonita e extremamente humana que me parece ser como que um "Big Fish" mais real e cru. Gostei mesmo muito deste Filme, faz com que tudo o que o rodeia no caminho para os Óscares pareça plástico.

O Payne já nos habituou a estas histórias coesas e muito bem escritas, tem no seu CV o About Schmidt, o Sideways e o recente The Descendants. Em qualquer um deles há outra faceta que se destaca: a direcção de actores que tem sempre uma função exemplar. Enormes interpretações.

Um Pai alcoólico que foi pouco presente no crescimento dos filhos, um Pai pouco saudável que já velho acredita ter ganho um prémio fantástico de 1.000.000 de dólares porque "ele acredita no que as pessoas lhe dizem". Um Homem de poucas palavras, um Homem extremamente honesto e com um coração gigante. Um Homem um pouco seco hoje em dia, bruto, mal disposto e resmungão. Um Homem difícil na recta final de vida, um Homem que fica obcecado por um prémio falso para poder de certa forma redimir-se de tudo o que fez de mal na vida.

O filme retrata a relação com um dos filhos que, não estando numa fase feliz da sua vida, alinha na ilusão do Pai aproveitando a viagem ao Nebraska para o conhecer melhor que nunca. A relação fica fortalecida mas acima de tudo o filho entende muitos dos problemas do Pai, conhece a raiz de alguns desses problemas e apercebe-se que aquela carta enganadora que atribui um prémio absurdo ao Pai, foi de facto o melhor que podia acontecer à relação dos dois.

Um filme de descobertas, partilhas, uma viagem que deixa a nu uma relação que nunca foi de enorme intimidade e que agora conhece um novo caminho, rumo ao Nebraska.

Esta é também uma oportunidade de conhecer uma parte dos EUA que é a maior realidade desse país. Um país de oportunidades mas também de isolamento, de diferenças abissais e de zonas onde o tempo parece ter deixado de correr.

Dern está incrível, é um papel soberbo e contagiante. Forte acaba por o acompanhar da melhor maneira mas deixa um desnível gritante entre a interpretação de um e de outro.

Enorme filme, muito cuidado e com um bom gosto acima da média. Um dos grandes filmes do ano.


Golpes Altos: Argumento, bom gosto, Dern e o quanto este filme é humano.

Golpes Baixos: Não suporto a personagem interpretada por Squibb :) É daqueles filmes com poucos defeitos.

1 comentário: